Comunidade Católica Arca da Aliança
BRA
USA
Formação
13.Out - O Namoro e suas esperas
Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -
O Namoro e suas esperas

Nos tempos de hoje, quem está disposto a esperar? 


Eu lhe respondo com as palavras do Apostolo São Paulo: “O amor tudo espera” 1 Cor. 13,7. Quem ama, quem está no caminho de aprendizado do amor, com o firme propósito de viver seu mais alto ideal e valor, mesmo sendo a custo de muito esforço, este sim, estará disposto a esperar, pois esperar é característico de quem ama. 


Muitas pessoas talvez digam. Porque esperar? Pois para elas ainda é desconhecido o valor e a graça da espera. Quando se entra no contexto de namoro é ainda mais difícil falar sobre o assunto. Pois quem já namorou sabe bem como é. A vontade é ver a pessoa amada toda hora, falar toda hora, beijar, abraçar, agradar... toda hora, e para isso, se contam os minutos.


São Gregório Magno, Papa, deixou uma bela reflexão sobre este assunto, que vale a pena meditar: “Os desejos foram aumentando com a espera, e fizeram com que chegasse a encontrar. Pois os desejos santos crescem com a demora; mas se diminuem com o adiamento, não são desejos autênticos. Quem experimentou este amor ardente, pôde alcançar a verdade”.


Sim, todo desejo autêntico não diminui com a espera. Muito pelo contrário, ele aumenta! Acho muito bela a expressão “desejos santos”. São estes os desejos que precisam crescer em nossa vida, em nossas escolhas e decisões. Mas só há uma forma de isto acontecer. E é através da espera!


Desejo santo pode ser o sonho de construir um belo matrimônio, uma família bem firmada, viver a castidade no namoro, crescer como homem, como mulher, cultivar uma afetividade e sexualidade sadia, descobrir a vontade de Deus e trilhar um caminho de santidade, que é possível a todos.


Vamos pensar agora em algumas formas de viver bem a espera no tempo do namoro.


Esperar antes de começar o namorar... 


Como assim? Esperar antes mesmo de iniciar o namoro? Exato. O ideal é construir o relacionamento através da amizade. Viver este tempo de aproximação, diálogo, para conhecer mais o outro. As características positivas ou não, a história, os sonhos, o que é importante para aquela pessoa, seus valores, o que gosta de fazer, etc... Afinal, isto é essencial! Para achegar-se ao interior do outro.  É importante esperar na amizade e deixar o beijo e o abraço pra depois. Quando o coração e a razão juntos confirmarem se é a pessoa certa ou não, e se vale a pena seguir adiante. 


Esperar para se ver...


Como é sadia a experiência de esperar para se ver. Existe toda uma expectativa, uma preparação. A roupa, o lugar, o que vamos fazer juntos. Abre-se um espaço para a criatividade pode brotar. 


Ter um dia para se ver, que não seja diariamente, é uma ótima opção para espaçar o encontro, permitir que a saudade venha, sentir falta, ou até mesmo identificar que estes sentimentos não existem. A saudade é um sinal concreto de amor, sentir falta de particularidades que somente aquela pessoa proporciona na sua vida. Esta distância é muito saudável e faz com que o amor verdadeiro aumente. Prova, conduz ao compromisso. 


Antigamente, nossos avós, nossos pais namoravam assim. Três dias na semana, geralmente na quarta-feira, sábados e domingos. 


Na Comunidade Arca da Aliança é muito bela a experiência que os namorados se propõe a viver. A maioria nem reside na mesma cidade. E se encontram quando a missão permite que isto aconteça, talvez nas férias ou em alguma data possível, já que as casas são mais distantes. Tudo é bem entregue nas mãos da Divina Providência que sabe bem do que precisamos. Mas isto, longe de ser o fim do relacionamento, é o fortalecimento. Marcamos encontros pela via da oração nas madrugadas, trocamos cartas, cadernos de partilha e ligação semanal por telefone ou chamada de vídeo. Nossa forma de namorar proporciona muito o diálogo, a espera, o crescimento do amor, e até mesmo o discernimento sobre o sentimento, se é verdadeiro ou passageiro. 


Como é bom receber uma carta! Esperar uma ligação e ver o amor crescendo!


Esperar na castidade...


Este é um assunto muito importante! Por isso a Igreja dispõe de muitas literaturas, sites, documentos para falar sobre isto. Um recurso bem esclarecedor é o Catecismo, como também o YOUCAT, catecismo jovem. 


Diferente do que muitos pensam, castidade não é somente a abstinência de relação sexual antes do casamento. Mas sim uma vivência num todo na pureza de todos os sentidos. Olhar, falar, tocar, pensar, vestir etc... É a forma de viver o amor, a fim de protegê-lo. Viver o relacionamento com integridade, inteireza (cf. Youcat 404). Não se pode amar somente através do desejo erótico. Mas se faz necessário provar o amor através da amizade, do compromisso, do respeito, libertando o coração dos interesses por vezes egoístas. A castidade gera relacionamentos conscientes. 


No namoro ela é forma mais perfeita de preparar o casal para viver os desafios da vida matrimonial e familiar. A castidade proporciona um encontro bem mais profundo e intenso do que o encontro sexual, pois ela conduz ao encontro das vidas e das almas.


Gosto muito de uma frase de Frei Patrício, no qual ele afirma: “Dizer que é fácil viver a castidade seria um erro, dizer que é impossível seria ainda um erro maior”. Portanto, é possível e muitos casais vivem! Você também pode viver!


Quantas esperas... Poderia citar também a importância de esperar o tempo do outro, ter paciência e ajudar a pessoa amada a crescer. E para isso sabemos que não é do dia para a noite. E também é preciso ter consciência de que existem coisas que são da essência da pessoa, de seu temperamento, identidade, e que talvez nunca vão mudar. No máximo, podem amenizar. Neste caso é preciso avaliar a possibilidade de conviver com estes aspectos ao longo da vida.


Todas essas esperas bem vividas, com o propósito de, assim como o fruto que necessita de tempo para amadurecer, conduzir o namoro ao tempo de dar o próximo passo, proporcionarão confiança, paz, coragem para assumir um noivado e um matrimônio. 


Como quem contempla um belo jardim, com muitas flores abertas. E reconhece como foi importante a chuva, o sol, o vento, o cultivo cada dia, a espera para que a natureza por si só desabrochasse. Assim se dá o verdadeiro amor!




Cibele Cristine Hostin – Consagrada Missionária Arca da Aliança 


Indique a um amigo
 
Receba em seu e-mail as novidades da Comunidade
 
Acompanhe nossas redes sociais
 
 
CLIQUE AQUI
E SAIBA COMO AJUDAR!
   
  • 37%

    META MENSAL

    Blumenau
  • 32%

    META MENSAL

    Joinville
  • 20%

    META MENSAL

    Montes Claros
  • 40%

    META MENSAL

    Paulo Afonso

Copyright © 2019 Comunidade Católica Arca da Aliança. Todos os direitos reservados.